Menú

Pedras (Crónica ‘Habitar’ de Luis Leal)

Pedras (Crónica ‘Habitar’ de Luis Leal)

Recorremos muitas vezes às pedras no caminho, ou no sapato, como metáfora de dificuldade ou sofrimento. Entende-se perfeitamente o porquê, daí ser frequente encontrarmos, por essa internet fora, pérolas de sabedoria como: Pedras no caminho? Guardo todas, um dia vou construir um castelo…. Atribuir a sua autoria a Fernando Pessoa é que, quanto a mim, não é muito acertado. Não porque isso possa manchar o génio do poeta, sim porque o leitor atento, e minimamente conhecedor da obra de Pessoa, disseminada em heteronímia, não associa características, como resiliência e resistência, mais relacionadas com a física, ao seu legado. Claro, isto sem nunca pôr em causa o estoicismo de Ricardo Reis.

Certo é que, esta imagem, nunca me remeteu para coisas negativas. Talvez devido ao facto de me distrair frequentemente. O passar dos anos também me levou a assumir que calhaus, areia, mato, planos inclinados ou pendentes, são caminho. O movimento, tal como a inércia, perspectiva do mesmo.

A prova de que, no Oriente, se está mais desperto à contemplação, à atenção, do que no Ocidente, encontra-se em muito vocabulário que, para nós, no outro lado da civilização, temos dificuldade em entender, ao ponto de necessitarmos recorrer a frases para compreender o que num só vocábulo se expressa. Suiseki, palavra japonesa, é disso um excelente exemplo. Para entendê-la, tive de esmiuçar em português o seu significado de apreciar a beleza da rocha, a sua forma, a sua textura, o seu passado geológico em camadas sedimentares de experiência e sabedoria.

Pedro deriva etimologicamente de Petrus, em latim pedra, no sentido de escorado como uma rocha. Guardo muitas pedras. Algumas são Pedros, é uma das certezas, de apelido Martín, Gundín ou, neste caso, Cuadrado. Quem lê o que vou escrevendo, não tem ideia de que há um alicerce, cuja amizade faz de mim melhor e, escrevo-o aqui com todo o orgulho, pule e lima as arestas descabeladas do meu espírito impetuoso.

O Pedro L. Cuadrado, o primeiro professor de português do ensino secundário em Espanha (e o blogger mais refinado que conheço), é, como nunca me canso de dizer, esse tesouro que prefere o recato da casa ao protagonismo da exposição. Vinte anos o separam desde o meu berço e, podendo-o ser, nunca quis ser meu mestre, preferiu ser meu amigo, mostrando-me não haver forma mais humilde de mestria.

Quis a ironia da vida que eu o fosse substituir em Valencia de Alcántara, onde, durante quase vinte anos, lecionou e divulgou a língua portuguesa nessa raia, a única que entre nós existe. Quis também a casualidade que, em Badajoz, trabalhássemos na mesma rua, quase à frente um do outro. Aqui temos podido partilhar muito mais que papéis, livros, traduções, apresentações, correções ou edições de poemas e crónicas. É difícil traduzir a grandeza daquele que opta por não a mostrar. Assim é o Pedro, granito de Zamora, esculpido por artistas salmantinos, que veio parar às margens do Guadiana.

E agora, já no último parágrafo, dou por mim a reconhecer que queria escrever uma crónica sobre as pedras basilares do ensino do português na Extremadura e não só. Reconhecer o seu mérito e a importância que, tal como os professores de espanhol do lado português, têm desde a raia até ao coração de Espanha. Fi-lo da pior maneira possível para o leitor interessado no assunto. No entanto, da maneira possível para mim, um gajo que, desde puto, guarda e estima as pequenas pedrinhas, seixos do rio, dentro dos bolsos e sempre preferiu contemplá-las com o afecto da palma da mão em vez de andar à pedrada.

(Nota: Como é obvio, esta crónica não foi lida, nem polida, nem limada, pelo professor Pedro L. Cuadrado. Se assim fosse, estaria efectivamente melhor e proibir-me-ia de publicá-la.)

Sobre el autor

Luis Leal

Luis Leal nació en Évora (Portugal) en 1980. Es licenciado en Enseñanza de Portugués e Inglés, y tiene un máster en Historia del Arte. Ha ejercido la profesión de profesor de lengua y cultura portuguesas en tierras rayanas de la Extremadura española a lo largo de más de una década. Al mismo tiempo ha colaborado en programas de radio y televisión, en la prensa española y portuguesa, así como en diferentes proyectos de traducción literaria, de divulgación cultural y cooperación transfronteriza. Cronista activo en la prensa y en la blogosfera, tiene alguna poesía publicada. Su crónica en Rayanos Magazine, se llama: Habitar.

Comentar

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

3 × cuatro =